Sindrome de ninho vazio - tentativa de colmatar os sentimentos de solidão inerentes ao facto de os filhos terem saído de casa com uma relação amorosa dúbia e controversa



Andreia: Meu nome é Andreia e tenho uma relacao a distancia desde ha 6 anos com um companheiro mais velho que eu, 19,anos, eu tenho 45 e ele 65.
Ele e alemão e eu portuguesa,
Nossa relacao sempre teve problemas porque o que para ele e aceitavel e logico, quando e para mim isso e sempre diferente, principalmente em relacao a meus filhos, ja adultos. Ou seja, por exemplo, ele pode opinar e falar de meus filhos, mas se eu falar da dele, tambem ja adulta e a viver com namorado, ja nao aceita.
Ao fim de 6 anos, agora quando me desloquei a alemanha para estar com ele, porque maioritariamente sou sempre eu que la vou, perguntei mais uma vez porque filha dele nunca me vem ver, ate porque sei que ela nao aceita a relacao, pois a propria me disse,e ele confirmou o que eu vinha dizendo e ele nunca quis assumir.....tem medo de dizer o que seja a filha porque tem medo de a perder para a ex mulher e entao nunca lhe vai dizer nao nem confrontar com situacoes que ele sabe que ela nao aceita.
Fiquei chateada porque quando e meus filhos ele diz que filhos teem que ouvir nao e crescer, etc.
Ja acabou a relacao comigo logo no inicio dos 6 anos, porque filha vivia com ele e me insultou e ele optou pela filha, depois mais uma vez fui atras e porque ele dizia que me amava, etc.
Minha filha entretanto foi viver para Alemanha com namorado e faziamos planos de eu tambem ir para la brevemente, mas como eu ainda trabalhava aqui em portugal, funcionaria publica,custava abdicar de tudo, trabalho, casa, país,etc, mas sentia que tambem ja estava a ficar exausta da relacao a distancia.
Ao longo destes anos, principalmente ha 2,anos atras, fui sentindo que ele estava diferente, a nossa vida intima era 0,nao me dava carinho, atencao, etc.
Fui tendo problemas de saude, desde um tumor nos ovario, em que tive que retirar tudo, apareceu asma, tiroide,e duas cirurgias a coluna, a ultima da qual ha 2 meses, e sentia-me carente...ele nunca me apoiava, apenas telefonemas e mensagens mas nada do que era. Ele durante estes anos ajudava financeiramente e custeou minhas 2cirurgias a coluna, e foi diminuindo ajuda financeira que me dava, de 200 euros, para desde ha dois meses, nada, mas nao falei porque meus filhos sairam de casa, o mais velho ha 2 meses, e para mim vai dando,  apenas medicacao e que preciso mesmo, o resto passo bem com uma sopa.
Desde que meus filhos sairam, passei mal e medica explicou que era sindrome do ninho vazio e vou tentando viver com ausencia, indo a alemanha para estar com meu companheiro e filha e depois vindo para Portugal por causa de meu emprego.
Mas ele sempre fazendo problemas com meus filhos, porque tem ciumes e pirque protejo demais meus filhos e tenho uma relacao forte de cumplicidade com eles, mas porque passamos tanto na vida que criamos esta relacao forte, fui casada durante 16 anos, mas pai deles bebia e ao fim desse tempo divorciei-me, mas mesmo de casada, porque pai era ausente, fui pai e mae e claro com divorcio, tive mesmo que ser a dobrar, sem familia para ajudar, tivemos inclusive que dormir na rua uns dois dias  etc...
Ele, em contrapartida se eu falo da filha dele, a perguntar que mal lhe fiz para ela nao me aceitar, nao me permite e torna-se agressivo e diz que a dele e diferente e nao pode ser confrontada. A mae dela ja casou novsmente e ela tentou fazer o mesmo a mae, mas a mae seguiu com a vida dela e ficaram sem falar, por via disso, mas agora ja vao falando e pai nao queria que elas falassem e tem medo que se disser nao a filha ela o deixe e fique so com a mae.
Contei um pouco so, porque ja se passaram muitos problemas, culpa dos dois, pois numa relacao e sempre culpa dos dois, mas ele diz que e so minha...
Ele pediu tanto para eu largar tudo porque ja estava cansado de esperar por mim, que eu, depois de ha um ano minha filha ter la vida, decidi falar com ele, se realmente ele queria, pois era uma decisao importante na minha vida....era abandonar tudo, para ir viver com uma pessoa que ha 2 anos ja nao me dava nada de nada, mas eu continuava a ser submissa e a fazer as vontades dele, com muitas explosoes pelo meio, claro, porque quando se finge aceitar tudo chega uma altura que mascara cai, porque nao somos naturais.
Ele entao pediu, inclusive a minha filha, para eu abandonar tudo e ir.
Entretanto em julho deste ano,  tive que ser submetida a outra cirurgia a coluna, e medico disse que se eu continuasse a trabalhar com criancas iria ter que fazer mais uma para nao paralisar de vez, que era por uns parafusos,pois tenho a coluna de uma idosa de 80 anos.
Nessa altura fui falar com advogada do sindicato e ela disse que nao me iam dar invalidez, ate porque ha dois anos, depous da outra cirurgia, junta medica mandou-me para invalidez e nao me deram, entao advogada disse que nao me iriam fazer nada e pedi para mudar de funcoes ha dois anos e nao mudam.
Nessa altura falei com ele e ele disse entao que nao podia continuar em Portugal, pois so me iria prejudicar e que estava na altura de eu ir.
Falamos, falamos, falei dos meus receios, pois relacao ja estava muito desgastada, ja nao havia intimidade e eu clamava por um pouco de carinho e igualdade na relacao para connosco e filhos de parte a parte, ja nem me importava com a parte sexual, mas sentia que estava a morrer por dentro e a envelhecer com ele de dia para dia, da pior maneira, tinha perdido o brilho do olhar, e contentava-me com um telefonema de manha e a noite e umas 2 mensagens ao dia. E queria falar da relacao, mas nada mudava e eu falava cada vez mais e mais, tentando salvar algo que ainda achava que ia resultar.
Entao ha um mes, depois de falar com ele e ele sempre a fazer planos comigo, pedi a rescisao amigavel de contrato da funcao publica e ele disse que me amava mais que nunca e que poderiamos viver nossa vida.
Mas.....ha um mes fui la, para estar com ele de tao contente que estava e a 1 semana foi optima porque eu fingia que os mesmos problemas nao estavam la, dava-lhe so amor e carinho, e ele sempre com ciumes de eu tambem querer estar com minha filha.
Na 2 semana,perguntei inocentemente, se ele tinha dito a filha que eu ia viver definitivamente com ele, ele respondeu que nao tinha que dizer nada, eu perguntei mais porque sempre que eu la ia, ela deixava de ir ao pai e ele ia ve-la as escondidas, sem me dizer, e os telefonemas com ela eram feitos fora de casa, e ele tornou a ser agressivo, acabando por confirmar o que eu dizia ha 6 anos, pois ela mo confirmou, e ha 2 meses tendo enviado uma mensagem a ela,  dizendo que gostava muito dela e que queria que fossemos uma familia, ate para fazermos o pai feliz, ela respondeu que nao estava preparada e entao eu disse que ela tinha todo o tempo que quisesse, mas o que nao me sinto bem e que quando la vou ela nao vai e pai faz tudo as escondidas. Entao so pedi honestidade e que nao me mentisse, alem disso tudo que se passava com meus filhos eu falava com ele e ele ia logo a seguir contar a filha, mas quando eu perguntava como filha dele estava, ele dizia:esta muito bem...nada mais, e se eu perguntava algo mais ele era agressivo dizendo que nao tinha que falar mais nada, mas dos meus se eu nao contava tudo, dizia que eu nao confiava, etc....
Entao na 2 semana, depois daquela pergunta, feita naturalmente, e ele me confirmou o que sempre negou, eu exaltei-me e estive (confesso estupidamente) a tentar falar com ele ate as 4 da manha, em que ele nada falava, o que me irritava mais, e eu mais falava, na esperanca que ele entendesse o que eu tentava dizer e que so queria uma familia normal, e que ele podia explicar a filha que o facto de nao ir la quando eu estava, que o magoava e amim tambem, como ele sempre falou, inclusive agressivamente, com meus filhos, apenas que me tomasse como companheira verdadeira, em que tambem posso ter opinioes e da-las...
Inclusive ele tem um cao, e quando estou com ele o cao tem que se deitar no sofa e eu tenho que ir para outro, nao vamos a sitios que eu gostava de ir com ele, se nao deixarem entrar o cao, ele tem uma loja de computadores e leva cao para loja, supermercados, todo o lado, e eu tenho uma cadelinha, que agora esta la na alemanha com minha filha, mas que veio para nos ainda bebe aqui em portugal, e ele acha que a minha pode ficar em casa sozinha e ate faz competicao com os caes e ciumes...
Entao nessa noite, falei tudo, que ja vinha falando ha 2 anos, e que ele ja sabia, porque ja antes da cirurgia eu queria acabar com relacao e ele pedia para eu nao acabar e eu ia indo....falei do sexo, porque ja nao havia intimidade, e ele dizia que era por causa das discussoes, depois era porque eu tinha retirado ovarios, depois era porque sentia dor no peito, depois era porque fui operada, e fui apanhar ele a masturbar-se na casa de banho e perguntei se nao tinha nada comigo, nem tocar-me, mas se fazia com ele, quando eu la estava e ele respondeu que sim..
Imagina como me senti? Nada, zero....
Depois dessa noite, como sempre nao gosto de ficar de mal com ele, fui deixando passar, dizendo que estava magoada nas que gostava dele.
Minha filha sempre ouvindo ele a reclamar de mim...e ele sempre dizendo algo negativo, agora era do meu genro.....
Queria obrigar-me a ir ver a filha dele e eu disse que o fiz durante dois anos e que desta vez nao ia, ate porque ela tinha escrito na mensagem que precisava de tempo....e nao fui.
Perguntei ha 3 dias atras, antes de vir para portugal, pois tenho que esperar a resposta, se me dao a rescisao amigavel ou nao,se ele tinha dito a filha das nossas discussoes estes ultimos fias e disse que nao, ate porque ela nao ligava e ele tambem nao e nao tinham estado juntos, ao qual eu disse que fazia mal nao estar com filha.
Concluindo, para resumir, no dia da partida, antes de me levar ao aeroporto, a frente de minha filha, disse que me amava e que queria que a resposta viesse rapida para eu ir para la em janeiro, e continuou a falar dos planos, inclusive que ia para a reforma, etc...todos os planos que andavamos a falar ha anos..abracou-me, deu um beijo e disse ate breve...
Estava ja em portugal e a noite,  sabendo que eu ia entrar numa casa vazia, sem filhos, sem nada, porque tinhamos falado disso anteriormente, e hoje demanha, umas horas depois de ter vindo, manda a normal mensagem de bom dia, mas ja sem o love you e nao me ligou, como era costume.
Entao liguei ao que ele disse que precisava de tempo para ver se sentia minha falta,que o ter ficado acordado naquela noite e as discussoes o deixaram a pensar se era isto que queria e que tinha que ter cuidado com saude dele.
Claro que perguntei porque nao mo disse pessoalmente e ainda,  mesmo depois das discussoes,continuou a fazer planos para eu ir, e que eu ja tinha pedido a rescisao e que nao era por telefone que se falava, se eu la tinha estado o dia anterior, pessoalmente, ao que respondeu que nao me obrigou a pedir a rescisao e que so tinha que pensar, porque quer una relacao em que nunca se discuta, e que ele nao tem que mudar nada, eu e que tenho e......que falou com sua filha a contar que discutimos...entao ai eu vi logo o que se passou, apesar de ele negar...
O que ela ja tinha feito anteriormente,lavado o cerebro ao pai, alem disso mentiu porque me tinha dito que nao contou nada.
E eu so lhe disse que ele sabendo que a filha nao aceitava, vai contar a filha? Eu nunca o faria, pois sabia que ia criar mais problemas...
Depois entao eu disse que nao existe isso de dar tempo, ou se acaba ou nao, ele disse que nao era acabar mas se eu o fizesse escolher naquela altura entao terminava.
Eu chorei e chorei, porque acho que e uma cobardia total...e depois ele ligou mais duas vezes, em que eu disse que ia la pessoalmente, outra vez, para falarmos e ele disse que se eu fosse mudava a fechadura...
Depois disse que podiamos ir falando e mandando mensagem de vez em quando e depois ELE logo veria...
A pergunta é, devo dar esse tempo? E minha vida esta toda planeada para ir para la, e ele nem isso se importou! Se ele esta a preservar a saude dele, e a minha? Que como ele sabe que aqui so ia piorar minhas costas queria tanto que eu fosse para la?
Eu acho que ele nao vai sentir minha falta porque ele ja assumiu varias vezes, que vive bem sizinho desde que tenha o cao....
O cao dorme com ele e tudo, e quando la estou ate fica triste porque cao tem que dormir sozinho....
Minha filha queria ir falar com ele, mas mais uma vez porque somos diferentes, minha filha deu a opiniao dela, so a mim, e disse que nem lhe ia dizer nada,mas a mim disse que eu podia ir viver com ela e que realmente em Portugal, como medico disse, na mesma profissao, vou acabar numa cadeira de rodas.
Tenho que dizer que ele nao tem outra, porque ele viveu 16anos e divorciu-se porque a mulher lhe foi infiel com o melhor amigo dele, com quem esta casada ha 2 anos. Ele na altura soube e ainda viveram juntos 4 anos na mesma casa, na mesma cama sem se tocarem e sem se verem nus um ao outro,  apenas por causa dos filhos, e ja na altura uma psiquiatra disse que ele nao iria confiar numa mulher tao cedo, e ele depois de se separar, passado um mes comecou relacao comigo, por isso acho que nao fez o luto e ainda odeia ex mulher. Ela foi infiel ao 1 marido com meu companheiro, e depois foi infiel ao meu companheiro com o melhor amigo de meu companheiro.
O qu devo fazer? Devo dar o tempo ou esquecer? E toda a minha vida que mudei? Como e possivel que ele mude sempre o dialogo, sentimentos, accoes da noite para o dia? Porque ele ja me tinha dito que precisava de tempo muitas mais vezes antes mas quando isso acontecia eu dizia que para mim nao ha tempos, ou e ou nao e, e entao ele pedia mais uma chance, e uma altura que esteve sete dias sem me ligar eu liguei. Ele sabe que me tem sempre que quiser.
Desculpe o alongamento mas estou muito em baixo...sei que o melhor e terminar porque esta relacao nao me esta a dar nada,  e compreendo que ele esteja exausto tambem, mas nao e pelo telefone que se acaba,quando no dia anterior la estou e os planos continuam os mesmos, mesmo depois da tal discusaao....
Sera que pode me aconselhar?
Obrigada. 
 

Dra. Mónica: Cara Andreia!

De facto, parece ser uma relação bastante contorversa e perversa também. A Andreia diz que é o seu companheiro que toma todas as decisões sem escutar a sua opinião, que muda o discurso de acordo com a sua vontade e com o que lhe convem mais a ele. Parece que ele mete tudo e todos primeiro que a Andreia: o cão, a sua própria filha, o bem-estar dele acima de tudo. Na minha opinião, pelo que a Andreia me conta, até parece que a Andreia está com ele apenas para servir as necessidades dele. Isto de dizer que a ama e de querer fazer planos consigo para depois não saber se quer acabar a relação consigo, parece ser bastante dúbio e desconcertante. Será que a Andreia está disposta a ter uma relação em que não sabe no que pode contar só para tentar colmatar o vazio que sente pelos seus filhos terem saído de casa? O sindrome de ninho vazio é algo muito habitual em muitas mulheres, sobretudo aquelas com personalidades dependentes e com baixa auto-estima. Ou seja, mulheres que não se visualizam emocionalmente autónomas. A viverem sózinhas ou a fazerem planos só para si, por exemplo.

Na minha opinião e um conselho que lhe dou é que, antes de tomar qualquer decisão seja ela qual fôr, não a tome por ele e a pensar nele ou nos planos que ele quer fazer consigo. Porque como já deve ter reparado, esses planos ... "puf" podem ir por água abaixo assim de repente, na altura em que menos esperar. Se ele é influenciável pela filha... paciência! Mas, a Andreia deve, é um dever que tem, em pensar em si, no seu bem-estar e nas suas necessidades primeiro, antes de mais nada. Submeter-se às vontades de uma outra pessoa, negando os seus próprios interesses e necessidades... porquê? E para quê? Em troca de quê? E isso resolve-lhe os seus problemas? Traz-lhe alguma satisfação e bem-estar? É que, na minha opinião, a Andreia está nessa relação só porque tem medo de estar sózinha e para tentar colmatar o vazio afectivo deixado pelo facto de os seus filhos terem saído de casa, que é um processo natural do desenvolvimento humano: os filhos quererem construir a sua própria vida. Cuidado com o facto como tenta lidar com esse vazio e como o tenta resolver. Será essa relação a melhor forma de resolver os seus sentimentos de solidão?

Ò Andreia, são tudo questões e é todo um trabalho que deveria ser trabalhado em contexto terapêutico numa psicoterapia. Todas essas questões, todos esses sentimentos e dúvidas, medos e expectativas! Eu não lhe posso dar milagrosamente a resposta certa de "vai ou não vai", "continua ou acaba a relação". É uma decisão que tem que ser a própria Andreia a tomar, de acordo com as suas necessidades e interesses. Já alguma vez pensou no que é que realmente a Andreia pretende e espera da sua vida? Será que se ficar em Portugal, fica mal; e se fôr para a Alemanha é que fica bem? Mas, mesmo que seja na Alemanha que queira estar, por ser um país com mais condições, tem que ser mesmo com ele? A Andreia tem lá a sua filha. Pode ser um começo. Também pode tentar refazer lá a sua vida, sem ser obrigatoriamente com ele. Caso pense em ficar com ele: será que vale a pena uma relação tão conflictuosa e com tanta incerteza e dúvida?

Em relação às cirurgias que a Andreia já fez à coluna e ao facto de poder ficar paralizada; em relação a essa área, sugiro-lhe uma fisioterapeuta, que exerce no Cacém (na linha de Sintra) que trabalha de forma um pouco diferente de outros fisioterapeutas, porque ela trabalha com as suas próprias mãos, enquanto que a maioria dos fisioterapeutas trabalha só com máquinas, ela tem conseguido resultados muito positivos em pessoas que já ninguém dava nada por elas, nomeadamente em pessoas que tinham tido AVC. Se a Andreia estiver interessada, eu dou-lhe o contacto dessa fisioterapeuta.

Quanto a mim, estou disponível para esclarecimentos futuros. Mas, acho que a Andreia deveria trabalhar todas as suas questões em psicoterapia.

Atenciosamente,

Mónica de Sousa
Psicóloga Clínica

 

Contactos e informações:

Dra. Mónica de Sousa
Telemóvel: 91 907 11 22
Contacte por Email clicando aqui


SUGERIMOS AINDA QUE VEJA
artigos nesta categoria

Sexualidade: falta de desejo e dores durante a relação
Sexualidade: falta de desejo e dores durante a relação

Fernando :  Boa tarde doutora. Bem,minha namorada me deu uma notícia a pouco temp (ler mais)

Desentendimentos na relação amorosa: sentir-se desvalorizada como Mulher pelo marido
Desentendimentos na relação amorosa: sentir-se desvalorizada como Mulher pelo marido

Catarina:   boa tarde O meu caso prende-se com o facto do meu marido apos o nascimen (ler mais)


Inscreva-se na Newsletter

Email:
Confirmação - Escreva o seguinte número: 1967




Envie-nos a sua mensagem

Nome:
Email:

Telefone (opcional mas também importante)
Confirmação - Escreva o seguinte número: 1967

Mensagem