ò papá, de onde vêm os bebés?

Artigo publicado na revista Men's Health de Novembro de 2006



Aqui estão as respostas ideais para as perguntas mais estranhas e inquietantes sobre sexo com que os mais pequenos nos costumam surpreender.

Quantas vezes já se viu em situações embaraçosas, sem saber muito bem como responder às questões (im)pertinentes do seu filho? Deu consigo a pensar porquê é que se teria ele lembrado de tal pergunta naquele momento tão inoportuno. E donde viriam as suas dúvidas? E para quê ele quereria saber a resposta a tal pergunta? E porquê tanta curiosidade? Mas, uma dúvida que talvez seja aquela que ainda o preocupe mais é saber qual é que será a altura certa para educar sexualmente o seu filho. Qual é que será? Porque acreditamos que nem sempre é fácil desenvencilhar-se deste tipo de perguntas, decidimos ajudá-lo no que diz respeito à educação sexual mais adequada para o seu filho. De certeza que esse ar aflito e os pensamentos de “Como é que eu vou sair desta?” desaparecerão rapidamente.

 

» A importância da Educação Sexual

A sexualidade faz parte da vida e da identidade de cada um de nós e a forma como os valores inerentes à sexualidade nos são transmitidos, sobretudo durante a infância, influencia fortemente a nossa personalidade. Portanto, a família tem um peso bastante grande no que respeita à forma de como os filhos encaram a sexualidade, não só quando chegam a adolescentes e a adultos, mas também enquanto crianças. Mas como responder às perguntas constantes da pequenada? Será que devemos fazer como fizeram os nossos bisavós com os nossos avós e como fizeram estes com os nossos pais? Será que devemos continuar a dar desculpas, tais como: “Foi uma cegonha que te trouxe”?!

Estudos científicos revelam que as crianças que não têm acesso à educação sexual explícita revelam menor capacidade de defesa contra riscos, nomeadamente, de serem abusadas sexualmente por adultos mal-intencionados, também de doenças sexualmente transmissíveis (como a SIDA) e da gravidez não desejada. Se as crianças não receberem educação sexual formal, poderão ainda inventar “factos” e suposições falsas e enganadoras, que levarão a uma má prática da sua sexualidade já em adultas, tal como a inibição excessiva (inibição da sexualidade e do desejo sexual) ou, no outro oposto, a exacerbação e a utilização inadequada da sexualidade nas relações com o outro, como é o caso das parafilias (ex: masochismo sexual, pedofilia, entre outras).

 

» Ensine-o desde pequenino

As perguntas do seu filho, bem como das crianças em geral, deverão ser escutadas com a atenção e o respeito devidos e respondidas com honestidade da forma mais completa possível, tendo em conta a idade da criança e o grau da sua curiosidade. Uma dúvida muito frequente logo nas crianças em idade pré-escolar é a tão conhecida pergunta “De onde vêm os bebés?”. O que costuma responder? E como se costuma sentir com esta questão do seu filho? Embaraçado? Pode simplesmente responder que o bebé nasce da barriga da mãe. Pode acrescentar ainda a explicação de que o bebé fica na barriga da mãe até se desenvolver e depois nasce.

Há crianças que se contentam com explicações curtas e simples, mas também há as que não se contentam com resposta nenhuma e querem saber tudo e mais alguma coisa. São exigentes quanto à informação que se lhes dá e demonstram uma enorme necessidade de “saber” que se manifesta pelos constantes e infindáveis “porquês”. São estas crianças que, por vezes, nos deixam sem resposta possível e com uma enorme sensação de aflição. E agora? Nestas situações pode responder que o papá pôs uma semente na barriga da mamã. Geralmente, as crianças da idade pré-escolar contentam-se com este tipo de respostas, até porque já ficaram a saber o que queriam. É posto uma semente na barriga da mamã que se desenvolve até se formar um bebé que nasce. Este é um exemplo de resposta honesta e prática que sossega e liberta a criança de dúvidas e incertezas e também não o deixa ficar mal.

 

» Não lhe minta

As crianças que querem saber mais costumam ser as mais velhas, já com outros conhecimentos também adquiridos em meio escolar, tanto nas aulas como nos grupos de pares. Neste caso, deverá aprofundar-se as respostas. A complexidade das suas respostas deve caminhar juntamente com a crescente necessidade de informação por parte da criança e do jovem mas, sobretudo, com o aumento das dúvidas e das incertezas, dos receios e de um crescente turbilhão de emoções que é desconcertante para qualquer um. Agora imagine que é daqueles pais que sempre respondeu ao seu pequeno filho que os bebés eram trazidos por cegonhas. O que é que poderá sentir quando o seu filho já adolescente o confrontar com o conhecimento da realidade? Agora imagine o que poderá sentir e pensar o seu filho já adolescente. “Porquê é que o meu pai me deu aquela resposta?”; “Porquê é que não me disse a verdade?”. Independentemente do que ele possa pensar e sentir, naturalmente foi-lhe transmitido (claro que de uma forma inconsciente e, por conseguinte, não intencional), que não deveria falar de sexo, de relações sexuais e de todas as emoções e comportamentos/atitudes relacionados com esta temática. Se se trata de algo intimo e pessoal e de que não se fala com toda a gente, imagine o que é para um jovem partilhar alguns dos seus receios e dúvidas com um pai que, à partida, negou qualquer indício de sexualidade. E não se esqueça também que, ao longo do desenvolvimento do seu filho, foi-lhe transmitindo a ideia de que o sexo é tabu e, por isso, não se deve falar explicitamente de tal.

 

» Na adolescência… acompanhe-o

Não é só o seu filho mais pequeno que tem a curiosidade à flor da pele. O adolescente por norma também a tem. Porém, este já não se interessa tanto por factos reais, mas sim por aspectos mais relacionados com a prática sexual e, sobretudo, com as emoções. O jovem tem dúvidas de como deverá proceder, de como se deverá comportar perante a companheira e, mais ainda, se irá corresponder às expectativas dela e também às suas próprias. Todas estas dúvidas, mais uma imensidão de informação, acerca de doenças sexualmente transmissíveis e de métodos contraceptivos, que geralmente é “despejada” sem o jovem conseguir nem sequer a assimilar toda e, ainda mais, com todas as modificações do próprio corpo e as alterações hormonais; tudo isto deixa qualquer um numa enorme confusão. Se o jovem não sente um bom apoio no pai, se não sente um pai cúmplice ou se sente um pai distante e não disponível, com que bases vai partir para a exploração da sexualidade?

 

» Ajude-o (in)directamente

Compete ao bom pai estar atento. Deve ser você a pegar no assunto e a iniciar a conversa. Tenha algum cuidado e não faça sucessivas perguntas para que ele(a) não as interprete como uma espécie de inquisição. Não se esqueça que é nesta fase da adolescência que o jovem primazia bastante a sua autonomia e independência, factor que pode dificultar a aproximação do pai. Esta é uma fase em que o jovem prefere não falar com o pai (pois, é com os amigos que geralmente partilha as suas experiências) e, ao mesmo tempo, é por excelência uma fase em que precisa de bastante apoio e da cumplicidade paterna (afinal, a maior parte dos seus amigos são da mesma faixa etária e, por isso, não deverão saber muito mais que o seu filho jovem). Então, como deve abordar o assunto? Aproveite os relatos de situações e histórias que conhece ou ouviu falar e partilhe-os à mesa, por exemplo. Não é muito aconselhável ir ter com o seu filho e interrompê-lo. Não se esqueça que ele gosta de sentir a sua própria independência e, por isso, a sua aproximação nesse caso pode ser vista como invasora. Aproveite antes os momentos em que já estão juntos. Fale nos assuntos tabu e mostre disponibilidade para ouvir e aceitar opiniões diferentes da sua. Partilhe com o seu filho as suas opiniões, emoções e convicções. Não espere que seja ele a responder a tudo o que pergunta. Partilhe com ele numa conversa de cooperação em que tanto ele como você tenham espaço para colocar as vossas diferenças e, mesmo até, as divergências. Não recuse a informação ao seu filho. Pois, ele precisará dela para as suas escolhas. Não se esqueça que a ausência de informação poderá levar a falsas crenças e a falsos pressupostos que, por sua vez, poderão dar origem a comportamentos inadequados.

 

» Esteja atento às reacções do seu filho

Também é importante que discuta com o seu filho jovem alguns falsos pressupostos. Tais como: “No entusiasmo do momento, não nos damos ao trabalho de usar preservativo”. Mas porque não? Será que dessa relação não pode resultar uma gravidez indesejada? E quanto às doenças sexualmente transmissíveis? Não se esqueça que o jovem tende (o que é natural) a não permanecer durante muito tempo com a mesma parceira. Isto, para não referir as relações casuais e esporádicas. Esteja atento aos sinais do seu filho! Acompanhe-o! Esclareça-o! Pois, qualquer um pode ser pai, mas só alguém muito especial pode ser papá.

 

CAIXA

Eis algumas questões que podem ser colocadas pelo seu filho jovem ou, simplesmente, poderão ser questões apenas pensadas e nas quais ele reflecte:

- O que quer dizer “sexo seguro”? E como praticá-lo?

“Sexo seguro” reporta às relações sexuais que não darão azo quer a uma gravidez indesejada, quer à transmissão de doenças sexualmente transmissíveis (como a SIDA). Desta forma, a melhor forma de o praticar é utilizando o preservativo. Já a seguir explicamos-lhe porquê é que a pílula não é a mais “segura”.


- Qual é o melhor método contraceptivo?

Se nos estivermos a referir a uma relação duradoura com um(a) parceiro(a) em quem já temos bastante confiança e em que sabemos da sua história sexual e/ou da sua história de saúde, a pílula é o método contraceptivo mais eficaz contra uma gravidez indesejada, até ainda mais que o preservativo. Porém, a pílula não protege contra doenças infecciosas sexualmente transmissíveis, como é o caso da SIDA. O único contraceptivo eficaz contra estas é o preservativo, tanto o masculino, como o feminino. O ideal, portanto, será a toma da pílula (no caso da mulher) e a utilização do preservativo.


- Qual é a maneira adequada de utilizar o preservativo?

Ensine mesmo o seu filho como proceder para colocar o preservativo. Amostre-lhe um, dê-lhe a ler as instruções que vêm nas caixas e discuta-as com ele de forma a tirar as suas dúvidas.


- Como se tem uma erecção?

Pode explicar ao seu filho que a erecção corresponde ao “início da excitação”. É, portanto, o sinal de que ele está a responder positivamente aos estímulos sexuais, tais como, o toque, o estímulo visual, etc. Pode-lhe explicar ainda que no interior do pénis há um tecido muito parecido a uma esponja que, por vezes, por vários motivos e, sobretudo, pelo desejo sexual, se enche de sangue fazendo com que este endureça e aumente de comprimento e largura.

 
- O que é o orgasmo?

Pode dizer ao seu filho que o orgasmo corresponde ao momento da libertação da tensão sexual e produz uma intensa sensação de prazer. O fenómeno do orgasmo consiste, a nível fisiológico, numa série de contracções do pénis (no caso do homem), ajudando a saída do sémen. No homem, o orgasmo coincide, na maior parte das vezes, com a ejaculação.


- O que é a ejaculação?

Quanto à ejaculação, pode-lhe dizer que consiste, sobretudo, na libertação do sémen no momento do orgasmo. Pode explicar-lhe ainda que, durante o sono, ele também pode ter uma ejaculação relacionada normalmente com um sonho erótico.


- O que é a masturbação? A masturbação é prejudicial?

Para lhe responder ao que é a masturbação, pode simplesmente dizer-lhe que se trata de um acto auto-erótico, ou seja, de um comportamento de auto-satisfação, que não é prejudicial. Apenas dá satisfação e prazer.


- A pílula contraceptiva é segura?

Não se esqueça de lhe dizer que só é segura contra uma gravidez indesejada. Porém, não o protege das doenças sexualmente transmissíveis, tal como a SIDA.


- Como se apanham as doenças sexualmente transmissíveis?

Não se esqueça de referir ao seu filho que são altamente contagiosas, que não têm cura e que são transmitidas, tanto pelo contacto do sangue como pelo contacto do esperma, quer nas relações sexuais propriamente ditas, quer no sexo oral sem preservativo.


- Sexo é o mesmo que amor?

Faça-o apenas entender que sexo comporta meramente uma relação sexual desprovida de emoção e de sentimentos, tais como o amor, a paixão e o afecto. Quanto muito, poderá haver atracção. Por outro lado, no amor, existem os tais sentimentos que acabámos de referir, juntamente com a cumplicidade e com o conhecimento mútuo de ambos. Geralmente, só há amor após as duas pessoas se conhecerem basicamente. Sendo assim, pode-se afirmar que poderá haver sexo sem amor, tal como amor sem sexo.


- Quando é que se está suficientemente amadurecido para se ter relações sexuais?

A resposta deverá passar por lhe dizer que que ele/ela só deverá começar a ter relações sexuais ou só deverá ter uma relação sexual quando sentir que não o faz por imposição de outrem ou por se pressionar a si próprio. O acto sexual deve partir de livre espontaneidade em interacção com o outro. Não há uma idade obrigatória para se iniciar uma vida sexualmente activa.
 

Mónica de Sousa
(Psicóloga Clínica e da Saúde)

 

Contactos e informações:

Dra. Mónica de Sousa
Telemóvel: 91 907 11 22
Contacte por Email clicando aqui

 


SUGERIMOS AINDA QUE VEJA
artigos nesta categoria

A arte de seduzir sem enganar
A arte de seduzir sem enganar

Artigo publicado na revista Men's Health de Julho de 2008

Imagine! Prepara-se para o tal encontro. Quer que seja brilhante. (ler mais)

Raptos e Pedofilia: como proteger os seus filhos sem os 'sufocar'
Raptos e Pedofilia: como proteger os seus filhos sem os 'sufocar'

Artigo publicado na revista Men's Health de Agosto de 2007

Certamente que está consciente das últimas notícias e de um dos temas mais levados para os debates t (ler mais)

Um homem também chora quando assim tem de ser
Um homem também chora quando assim tem de ser

Artigo publicado na revista Men's Health de Março de 2006

Quantas vezes já se viu perante situações em que teve de conter as lágrimas para não parecer lamecha (ler mais)


Inscreva-se na Newsletter

Email:
Confirmação - Escreva o seguinte número: 5297




Envie-nos a sua mensagem

Nome:
Email:

Telefone (opcional mas também importante)
Confirmação - Escreva o seguinte número: 5297

Mensagem