Farto dela?! Como lidar com a saturação de uma relação amorosa sem magoar a sua parceira.

Artigo publicado na revista Men's Health de Dezembro de 2007



» Reforce a chama

Por vezes, todos nós passamos pela situação de não desejar continuar com uma relação amorosa. Há inúmeros factores que podem levar a isso. Mas os mais frequentes prendem-se com o terminar de uma fase da paixão e com o instalar da rotina e da monotonia da relação. Para quebrar com a rotina, puxe pela sua imaginação e dê asas à fantasia e à criatividade. Agora, quanto ao apagar-se a chama da paixão… nesse caso, a imaginação já não é tão fértil, o que é compreensível. Porém, passada a fase da paixão, não é obrigatório apagar-se tudo o resto. Pois, após esta fase pode chegar-se à fase do amor. Fase esta em que predomina a amizade, a cumplicidade e a confiança mútua. No entanto, para se poder progredir na relação amorosa, mesmo depois da chama apagar, há que ter em conta alguns critérios antes de se escolher a parceira, sobretudo, quando se procura uma relação tanto quanto séria. Não basta deixar-se envolver somente pela atracção física (sendo que também é bastante importante) e pelo desejo. Mas é bom que procure uma parceira que também tenha interesses e gostos em comum (pelo menos alguns), para que quando se acabar a paixão possa haver algo que ainda vos una e que permita com que a chama não se apague completamente.

 

Não caia na rotina

Mesmo nesta fase do amor, mesmo com interesses e gostos em comum e até mesmo com uma cumplicidade acima de tudo o mais… mesmo assim, todo o ser humano se pode fartar do outro e a rotina pode-se apoderar-se da relação. Só que tudo leva muito mais tempo. Anos!!! Mas há a agravante de se ter vivido mais tempo em comum, mais conflitos pelo meio, mais desentendimentos, mais desacordos. E mais momentos felizes também. Neste caso, a possibilidade para uma ruptura na relação é muito mais complicado. Por vezes, nem sequer se chega, nem se tem coragem para tal. No entanto, não é por isso que não há sofrimento, nem tristeza entre os membros do casal. E até, por vezes, se pode recorrer a comportamentos compensatórios que visam a busca da satisfação imediata e do prazer que não se tem já há algum tempo. É o caso de “dar uma raspadinha” ou de “se pular a cerca”. Comportamento este que pode ser até bastante gratificante para o elemento do casal que o pratica, mas bastante penoso e doloroso para o outro.

 

Termine com a angústia

Sendo assim, como lidar com a saturação de uma relação amorosa sem magoar a parceira? Vimos que “dar uma raspadinha”, mesmo que pense que pode ser muito engraçado – e dado que o fruto proibido é sempre o mais apetecido - não é a solução para um número sem fim de problemas conjugais. Mas a mera acomodação a uma rotina que já não se suporta e da qual já se está farto até à ponta dos cabelos também não é a solução adequada, correcto? Quando os conflitos, os desentendimentos e a “falta de espaço” são constantes e não se os consegue resolver, nem com o diálogo, nem com a procura de soluções alternativas, nem mesmo com a terapia conjugal ou familiar, o melhor mesmo poderá ser a separação do casal. Mas, como fazê-lo de forma a que não se dificulte as coisas ainda mais? Por vezes, deixar as coisas correr mesmo até à última pode fazer com que a saturação se torne em raiva e pequenos desentendimentos em grandes discussões. Deste modo, parece inteligente não se passar do tempo certo, ou seja, não se insistir no que já não tem solução. Agora vem a parte mais difícil: ambos os membros do casal estão na mesma situação de saturação, mas alguém tem que tomar a iniciativa e pôr os pontos nos “is”. E se decidir ser você a fazê-lo? Como fazê-lo? Eis algumas sugestões:

1- Não invente situações de conflito para ver se a sua parceira se farta e lhe poder passar a “batata quente”, isto é, para que seja ela a tomar a iniciativa da separação. Ela pode ficar com as “culpas”, mas você, pela certa, não vai ficar com a consciência tranquila. Não se faça de vítima;

2- “Pular a cerca” pode ser bastante gratificante e excitante até, mas será que lhe resolve os conflitos conjugais? Alivia-lhe a tensão emocional, a tristeza e a angustia? Talvez na altura. Então, e depois? Quando voltar para casa e estiver com a sua parceira? Provavelmente, só aumentará todo o distanciamento entre os dois e mais as dúvidas dela, as suas incertezas e um grande mal-estar que se gera. Não a engane, nem se engane a si próprio. Resolva primeiro os seus problemas, antes de partir para novas aventuras, as quais poderão também gerar mais e novos problemas;

3- Não lhe dê a entender por meias palavras que, para si, a vossa relação já terminou. Ela pode perceber a sua idéia muito bem, mas também é confrontada com outras mensagens que você pode deixar escapar inconscientemente e que revelam alguma dúvida, incerteza e até ambivalência. Já para não falar das dúvidas dela e de uma parte que ainda acredita que vale a pena continuar a tentar. Portanto, seja honesto e assertivo, sem ser rude e agressivo, mas também sem ser passivo;

4- Tente resolver todos os seus problemas, conflitos ou até mesmo a separação, de uma forma calma e tranquila. Não reivindique direitos nem exija obrigações. Tente chegar ao consenso e a uma negociação. Não se altere, não se irrite, não grite nem discuta. Fale, converse e dialogue. Verá que tudo será mais fácil assim.

Tudo tem um início e muito desse tudo pode também ter um fim. Não deixe que esse fim faça esquecer o início e todo o caminho que juntos percorreram. 
 

Mónica de Sousa
(Psicóloga Clínica e da Saúde)

 

Contactos e informações:

Dra. Mónica de Sousa
Telemóvel: 91 907 11 22
Contacte por Email clicando aqui

 


SUGERIMOS AINDA QUE VEJA
artigos nesta categoria

A arte de seduzir sem enganar
A arte de seduzir sem enganar

Artigo publicado na revista Men's Health de Julho de 2008

Imagine! Prepara-se para o tal encontro. Quer que seja brilhante. (ler mais)

Raptos e Pedofilia: como proteger os seus filhos sem os 'sufocar'
Raptos e Pedofilia: como proteger os seus filhos sem os 'sufocar'

Artigo publicado na revista Men's Health de Agosto de 2007

Certamente que está consciente das últimas notícias e de um dos temas mais levados para os debates t (ler mais)

ò papá, de onde vêm os bebés?
ò papá, de onde vêm os bebés?

Artigo publicado na revista Men's Health de Novembro de 2006

Aqui estão as respostas ideais para as perguntas mais estranhas e inquietantes sobre sexo com que os (ler mais)

Um homem também chora quando assim tem de ser
Um homem também chora quando assim tem de ser

Artigo publicado na revista Men's Health de Março de 2006

Quantas vezes já se viu perante situações em que teve de conter as lágrimas para não parecer lamecha (ler mais)


Inscreva-se na Newsletter

Email:
Confirmação - Escreva o seguinte número: 5157




Envie-nos a sua mensagem

Nome:
Email:

Telefone (opcional mas também importante)
Confirmação - Escreva o seguinte número: 5157

Mensagem