Porquê é que um homem se casa?

Artigo apresentado à revista masculina Men's Health em Setembro de 2008



Se o leitor é daqueles homens que pensa em se casar (mesmo tendo as suas dúvidas), se tem um amigo que se vai casar e não compreende o porquê da sua decisão, se é um homem casado e, por vezes, salta-lhe à mente porquê é que se casou ou, se pelo contrário, o leitor é daqueles homens que pensa que CASAR NUNCA, este artigo é dedicado especialmente a si. Afinal de contas, porquê é que um homem se casa?

E, atenção, que aqui o termo ”casar” não tem que significar propriamente o casamento religioso ou civil. Neste artigo, é compreendido também pelo facto de duas pessoas se “juntarem” e decidirem ir viver uma com a outra.  

São os jogos de futebol, são os “copos” com os amigos, são as miúdas, é toda uma liberdade e um descompromisso infindáveis. Geralmente, diz-se a quem se vai casar que vai para a forca, que vai perder toda a sua liberdade, enfim! Mas o que é certo e sabido (e mesmo com o crescente número de divórcios a aumentar) é que ainda há e, provavelmente, sempre haverá muitos homens a casarem-se. E acreditem que não é para perderem a sua liberdade ou só para terem comida e roupa lavada (e os interesses materiais/financeiros também não são para aqui chamados). Ainda quanto à comida e à roupa lavada, para esses, também há outras soluções. Há quem adopte pela empregada, há quem continue sob o auxílio dos pais, mas também e cada vez mais, há muitos homens modernos que cozinham, que tratam da casa e até dos filhos e que o fazem muito bem. No entanto, há muitos homens que se continuam a casar. Desta forma, porquê é que será?

Ao longo dos anos de vida, o homem procura sempre mais. Procura obter maior conhecimento, mais estatuto. Procura subir mais na carreira, procura alcançar mais sucesso, a ter maior estabilidade financeira, a ter melhores condições de vida, mais bens materiais. E coisas assim. Procura, por isso, satisfazer as suas necessidades físicas, as de realização, as de reconhecimento e de pertença a um grupo. Mas, ainda falta algo muito importante para se poder ser feliz: a ESTABILIDADE EMOCIONAL. Estabilidade esta que não se obtém somente com as relações fugazes e com as aventuras amorosas.

Mas, não pensem que é fácil chegar a esta estabilidade emocional. Depois de muito procurar e, finalmente, de encontrar a mulher dos seus sonhos (ou, pelo menos, pensa que é), há uma série de questões, de dúvidas e de medos que lhe assaltam a mente quando pensa em tomar a decisão para o grande passo. Por exemplo, pode ter medo em poder vir a desiludir-se e chegar à conclusão que, afinal de contas, ela não é a mulher dos seus sonhos. E, mais ainda, pode ter medo de conhecer outras facetas nela que revelem coisas que ainda não conhece e de que não espera. Podem vir a não se darem bem ou, simplesmente, podem não conseguirem entrosar as formas diferentes de verem as coisas e de estarem na vida. Isto, para não falar no medo da banalização da relação e do cair na rotina, de que tanto se fala.

Quando se namora é tudo muito bonito e o facto de não estarem 24 sob 24 horas juntos e de não terem que partilhar todos os seus hábitos e todas as suas rotinas pode ser um factor facilitador para que a relação continue “sob rodas”. Mas o homem (e também a mulher) é um ser exigente que nunca está satisfeito: quer-se sempre mais. O tempo que estão juntos não chega, querem partilhar mais coisas das suas vidas; e, então, começa-se a pensar no grande passo. E, mesmo com todos os riscos, vai-se em frente e consome-se a decisão.

Por outro lado, também há sempre a possibilidade de não se decidir pelo grande passo e poder continuar com a tranquilidade da relação própria da fase do namoro (“um mar de rosas”). No entanto, não se esqueça de que o homem é um ser exigente que quer sempre mais. E, por isso mesmo, ficar pelo namoro, ou seja, por um compromisso mais leve pode não ser a solução. Mesmo no namoro, a relação pode cair na rotina, pode-se conhecer facetas no outro de que não se gosta tanto (aliás, porque ninguém é perfeito) e a relação pode desmoronar à mesma por se ter estagnado ao não se querer avançar mais. E isto já para não falar de que não se chega a saber se as coisas teriam dado certo se se tivesse tentado.

Portanto, caro leitor, se pensa ter encontrado aquela mulher com quem gostaria de partilhar a sua vida e na qual vê companheirismo, cumplicidade, mas também amor, paixão e desejo, procure alcançar a sua estabilidade emocional e seja feliz. Afinal, “quem não arrisca, não petisca”. E quanto a poder não ser a mulher certa, não procure a mulher perfeita. Procure, antes, percorrer com ela o caminho para a perfeição.
 

Dra. Mónica de Sousa
Psicóloga Clínica

 

 

Contactos e informações:

Dra. Mónica de Sousa
Telemóvel: 91 907 11 22
Contacte por Email clicando aqui


SUGERIMOS AINDA QUE VEJA
artigos nesta categoria

Raptos e Pedofilia: como proteger os seus filhos sem os 'sufocar'
Raptos e Pedofilia: como proteger os seus filhos sem os 'sufocar'

Artigo publicado na revista Men's Health de Agosto de 2007

Certamente que está consciente das últimas notícias e de um dos temas mais levados para os debates t (ler mais)

ò papá, de onde vêm os bebés?
ò papá, de onde vêm os bebés?

Artigo publicado na revista Men's Health de Novembro de 2006

Aqui estão as respostas ideais para as perguntas mais estranhas e inquietantes sobre sexo com que os (ler mais)

Um homem também chora quando assim tem de ser
Um homem também chora quando assim tem de ser

Artigo publicado na revista Men's Health de Março de 2006

Quantas vezes já se viu perante situações em que teve de conter as lágrimas para não parecer lamecha (ler mais)


Inscreva-se na Newsletter

Email:
Confirmação - Escreva o seguinte número: 5147




Envie-nos a sua mensagem

Nome:
Email:

Telefone (opcional mas também importante)
Confirmação - Escreva o seguinte número: 5147

Mensagem